Foi preso nesta manhã, terça-feira (29), o titular da Delegacia de Polícia Civil de Canaã dos Carajás, delegado Bruno Fernandes de Lima. Além dele, estão presos os investigadores Claudio Márcio do Nascimento e Sergio de Sousa Lago. A acusação é por liberação irregular de motocicletas apreendidas no município, localizado a 230 quilômetros de Marabá.

Conforme informações das assessorias de comunicação da Polícia Civil e da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Pará, contra o delegado foi cumprida prisão temporária de cinco dias e contra os investigadores prisões preventivas.

A ação foi desencadeada pelo Grupo de Atuação no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado (MPE) e pela Divisão de Crimes Funcionais da Corregedoria da Polícia Civil.

Ainda de acordo com a assessoria de comunicação, os mandados judiciais foram expedidos após denúncias recebidas pelo MPE de Canaã dos Carajás a respeito de motos apreendidas na delegacia da cidade. Segundo o fato denunciado, os veículos teriam sido liberados por policiais civis sem realização de procedimento policial e posteriormente foram novamente apreendidas circulando nas ruas da cidade. Algumas delas chegaram a ser utilizadas na prática de novos crimes.

A acusação aponta que os dois investigadores teriam sido os responsáveis em liberar as motos apreendidas. Em relação ao delegado, o mandado de prisão temporária foi decretado em decorrência da chamada “teoria do domínio do fato” em que, em tese, deveria ter a obrigação de ofício de ter o domínio sobre a atuação de sua equipe, conforme a assessoria de comunicação.

Os policiais civis estão sendo transferidos ainda hoje para o Presídio Coronel Anastácio das Neves, em Santa Izabel do Pará, onde ficam recolhidos os servidores públicos. A operação foi coordenada pelo Gaeco, tendo à frente o promotor Milton Menezes, e contou com três equipes da Corregedoria da Polícia Civil e duas do MPE.

O delegado Bruno Fernandes foi candidato ao cargo de vereador em Canaã, nas últimas eleições, pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS), através da coligação “É Isso Que Povo Quer”, somando 465 votos. O Correio de Carajás tenta contato com a defesa dos policiais. (Luciana Marschall)