Ex-prefeito de Tucuruí é denunciado por desfalque em mais de R$ 50 milhões.

Investigações continuam e como outros gestores já foram condenados e alguns presos, Sancler dificilmente se livrará de alguma condenação

O ex-prefeito de Tucuruí, Sancler Antônio Wanderley Ferreira, foi denunciado em uma ação ao Poder Judiciário por crime contra a administração pública após uma série de irregularidades serem informadas ao Ministério Púbico do Pará (MPPA).

A maior parte das denúncias que chegaram à 2º Promotora de Justiça do município, representada pela promotora Amanda Luciana Sales Lobato, partiram do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) e do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sinsmut).

Conforme o Sintepp, houve atraso de repasses por parte do município à entidade, apesar do desconto mensal estar sendo feito na remuneração dos professores. A soma, diz a entidade, alcança R$ 26.641,08.

Já o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais denunciou a existência de um débito decorrente da falta de repasse à Caixa Econômica Federal (CEF), banco credenciado para receber os valores referentes aos empréstimos consignados dos servidores municipais. Neste caso, afirma o Ministério Público, os valores superam R$ 10 milhões de reais, apesar de o desconto também estar sendo regularmente realizado da remuneração dos servidores.

Houve, ainda, denúncia de apropriação por parte do ex-prefeito referente à falta de pagamento dos servidores públicos entre outubro e dezembro de 2016, bem como da falta do 13º Salário e férias proporcionais, gerando débito em torno de R$ 40 milhões aos cofres públicos. Todos os valores somam mais de R$ 50 milhões.

O MP destaca que chegou a expedir recomendação ao ex-prefeito, não cumprida, e ingressou com várias medidas judiciais, a fim de coagir o prefeito a pagar as dívidas que haviam sido geradas, mas algumas só foram quitadas após uma ação cautelar de bloqueio de verbas públicas próprias e repasses financeiros, sendo que alguns foram feitos por alvará judicial.

A promotoria destaca que até o comércio local ficou desestabilizado em decorrência de apropriação indevida de recursos públicos que deveriam ser utilizados para pagamento dos servidores municipais e credores.

Ao deixar a administração, afirma a ação, Sancler deixou várias dívidas com a administração pública municipal. O MP está requerendo a condenação do ex-prefeito, devendo reparar o prejuízo causado; ter decretada quebra do sigilo bancário dos últimos cinco anos; levantamento das viagens que porventura tenha feito ao exterior nos últimos cinco anos; decretação da perda dos bens e valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio; nomeação de um perito contábil, a fim de levantar outros possíveis valores que podem ter sido desviados e/ou parcelados, que podem gerar débitos futuros, que não foram informados ao MPPA.

Além disso, requer o ressarcimento integral dos valores apropriados indevidamente no valor de R$ 54.026.641,00, podendo este valor ser aumentado, após a realização de perícia contábil.

Reportagem Luciana Marschall – com informações da assessoria de comunicação do MPPA